Histórico
 07/12/2014 a 13/12/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 16/03/2014 a 22/03/2014
 22/12/2013 a 28/12/2013
 20/05/2012 a 26/05/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 28/03/2010 a 03/04/2010
 17/01/2010 a 23/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 14/12/2008 a 20/12/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 18/12/2005 a 24/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


Camerino Eloy Neto
 

Entendimento

 

 

O espumante borbulhava no céu da boca. Aproveitava aquele prazer recém-descoberto calmamente. Estava feliz e principalmente em paz. Olhou o sol se preparando para se pôr. Um cenário perfeito, combinando com o que estava vivendo. Foi nesse instante que lembrou de uma frase ouvida ainda na adolescência e que quebrou aquele momento.

- Muito cuidado com os covardes, eles não perdoam nunca -  Mais de que um “conselho” aquilo parecia uma profecia, carregada do peso que a verdade, sem disfarces,  sempre costuma imprimir.

Deixou o espumante descer lentamente. Precisava deglutir aquelas palavras. Pensou que  estavam perdidas no passado. Mas não. Elas voltaram e com a mesma intensidade. Começou a revisitar  pessoas que haviam passado por sua vida. E  aí  o pensamento foi clarificando.

Reconheceu nas lembranças, em cada uma delas, um pouco da profecia. Fez um paralelo com outra frase que atualmente habitava sua mente: é preciso ter muita coragem para ser feliz. Tudo começou a fazer sentido.

O passado havia dado uma pista para o futuro. Ah, se pudéssemos decifrar as mensagens que o universo manda no momento em que elas chegam... Quanto sofrimento seria evitado.  Mas, de outro modo, quem nos garante que o crescimento viria assim, só por insights.

Provavelmente não. O caminho tem que ser percorrido, sempre. Se as pessoas não fossem ficando pela estrada, deixando o vazio da não explicação, talvez não estivesse agora tentando entender uma lição recebida no início da vida. O aprendizado correria o risco de também ficar em algum lugar, perdido.

Relembrou sua vida e percebeu que a felicidade que agora desfrutava foi conquistada com muita coragem.

Costumava se lançar... Bastava um brilho, por menor e mais distante que tivesse, para entrar no mar que costuma ser a vida, sem duvidar que havia encontrado a luz.   Foram alguns naufrágios é bem verdade.

Mas nunca perdeu a certeza de que a luz é muito maior que as trevas. E ia, oceano adentro. Para muitos aquele comportamento era "repetir os mesmos erros". Na verdade essa era  a única forma  que conhecia para continuar buscando.

Até que um dia as mesmas águas povoadas de piratas que  roubavam  almas; de  sereias com seu canto lindo que levava ao fundo;  lhe trouxeram a uma ilha de tranquilidade. E foi nela que num final de tarde entendeu o recado do passado.

“Muito cuidado com os covardes, eles não perdoam nunca e é preciso ter muita coragem para ser feliz”

 

 

 



Escrito por Camerino às 19h15
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]