Histórico
 07/12/2014 a 13/12/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 16/03/2014 a 22/03/2014
 22/12/2013 a 28/12/2013
 20/05/2012 a 26/05/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 18/12/2011 a 24/12/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 26/12/2010 a 01/01/2011
 28/03/2010 a 03/04/2010
 17/01/2010 a 23/01/2010
 20/12/2009 a 26/12/2009
 13/12/2009 a 19/12/2009
 06/12/2009 a 12/12/2009
 14/12/2008 a 20/12/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 18/12/2005 a 24/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


Camerino Eloy Neto
 

Você é sozinho

- Você é sozinho – falou num misto de perplexidade e compaixão. Ele sorriu abraçado a ela e respondeu cheio de certeza e tranqüilidade.

 

- Não. Tenho vocês, meus amigos – despediram-se e ele seguiu... Sozinho.

 

 

Caminhou na noite e descobriu que ela tinha razão. Vivia a procura de histórias pra contar. Jornadas inteiras em busca de alguém com quem dividir os sonhos. Não queria só volúpia, prazer rápido e fácil. Sonhava com companheirismo e era um tanto romântico, tinha que admitir.

 

Olhou ao redor. As pessoas, de alguma forma, se relacionavam. Em suas tentativas sobravam dissabores e faltava poesia. Tomou mais uma dose. Lembrou  de quando era bebê. A mãe não tinha leite. Ele, diziam, mordia o seio dela com uma força beirando a crueldade, como só as crianças são capazes. Talvez, desde então, já soubesse: o que lhe parecia ser seu de direito, de algum modo, teria de arrancar da vida.  

 

Adolescente, tentou ser o mais correto, brilhante, responsável. Fez o impossível e  conseguiu. Tinha caráter, o respeito dos outros, mas lhe faltava afeto e o carinho de que precisava. E como necessitava desse alimento.

 

De novo se viu obrigado a morder agressivamente. Agora, os golpes eram no universo e, por conseguinte, nele mesmo. Perdido, sozinho, com a alma em carne viva; desenvolveu uma forma de autoflagelo. Cada vez mais se embrenhava num submundo repleto de outros seres semelhantes, que tinham aprendido a sobreviver com armas modeladas em fôrmas de dor e solidão. Viveu encontros fadados a ruína. Afinal, só se consegue sobreviver no deserto quando há oásis e, nesses casos, o máximo que existiam eram miragens.

 

 

 

O riso, o escárnio, a humilhação pública. Já conhecia aquilo de cor e não se fazia de rogado. Continuava acreditando no amor. Olhou para alguém. Respirou fundo e rogou aos céus que não precisasse passar por nenhuma restrição. Eram crimes sem pecado.  Foi... No entanto, naquela noite tinha descoberto uma coisa: era uma pessoa sozinha e começava a entender o significado disso.

 

Definitivamente, ser sozinho não é uma chaga pra permanecer eternamente aberta. Seguiu, acompanhado de si mesmo. Engraçado, não estava sentindo mais tanta fome...



Escrito por Camerino às 20h49
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]